Cambará do Sul é terra de cânions, frio e até árvore lunar

Compartilhe este texto:


Cambará do Sul na região dos Campos de Cima da Serra é tida como uma das cidades mais frias do Brasil e que seguidamente tem precipitação de neve. Mas o município de aproximadamente 7 mil habitantes tem outros encantos além do frio intenso, que são os maravilhosos cânios.

foto: Miriam Jahn

Mesmo no inverno os dias estão ensolarados neste ano, o que permite uma visibilidade maravilhosa do Itaimbezinho nos Aparados da Serra – com paredões de 720 metros de altura e 6 quilômetros de extensão – e o Fortaleza, na Serra Geral – com 7,5 quilômetros de extensão, 900 metros de altura e 1,5 quilômetros de largura.


Itaimbezinho


Cascata véu de noiva – Itaimbezinho

Itaimbezinho e Fortaleza têm trilhas com níveis de esforço leve, moderado e alto que podem ser autoguiadas, já as caminhadas pelo interior dos cânios necessitam de guia especializado. A visita ao Malacara e Churriado também deve ser acompanhada por guia.
Diversas agências na cidade oferecem esse serviço, além de cavalgadas e passeios de bicicleta ou em caminhonetes 4×4.

Casas de Cambará

Centro Cultural e Museu

Quando revisito algumas cidades sempre quero encontrar algo novo, mas que remeta ao passado e conte uma história. É assim que consigo compreender a formação de vilarejos e pequenas ou grandes cidades.

Neste meu retorno a Cambará, andando à noite pela cidade observei melhor as casas mais antigas. O patrimônio arquitetônico não está lá muito preservado, mas existe e conta uma historia importante.

Antigo colégio

Árvores de Cambará

Cambará é nome de uma árvore típica do lugar e quer dizer “folha de casca rugosa” na língua tupi-guarani. Na praça São José tem 2 exemplares da árvore símbolo do município.


Cambará

Na mesma praça tem uma sequoia, árvore que pode atingir 90 metros de altura, 6 metros de diâmetro e viver milhares de anos. Só isso é suficiente para atrair o interesse dos visitantes, mas a de Cambará é ainda mais especial, pois é uma “árvore da lua”.


Sequoia lunar
foto:Panramio

Em 1971 o astronauta Stuart Roosa levou na missão da Apolo XIV em 1971, sementes de diversas plantas para observar o comportamento. Ao retornar muitas germinaram e as mudas foram plantadas e vários países.

A versão oficial de como uma dessas mudas chegou até a Cambará do Sul é que o prefeito Pedro Teixeira Constantino (já falecido) tinha conhecidos influentes em Brasília. Plantada em 26 de novembro de 1982 a sequoia está com aproximadamente 30 metros de altura e 70 centímetros de diâmetro.
O Rio Grande do Sul tem uma segunda sequoia lunar na praça principal do município de Santa Rosa.


O turismo tem impulsionado Cambará e nos últimos anos aumentou a oferta de pousadas, hostel, bares e restaurantes com comida típica gaúcha.


Compartilhe este texto:

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *