Por isso eu apoio a greve geral e tu?

Por isso eu apoio a greve geral e tu?

As coisas chegaram ao limite. As autoridades precisam entender que a população não aguenta mais. Não tem como suportar a retirada de tantos direitos de braços cruzados. Só quem está perdendo conhece essa dor.

Não aguentamos escolas e postos de saúde caindo aos pedaços e ainda ter os investimentos em educação e saúde reduzidos. As autoridades que impuseram ou aceitaram esses cortes deveriam morrer de vergonha. Deveriam pedir demissão por incompetência.

Por isso eu apoio a greve geral e tu?

A população não suporta pagar taxas de lixo e iluminação pública e andar em praças e ruas imundas e às escuras. Pagar IPVA e trafegar em vias esburacadas e mal sinalizadas.

Por isso eu apoio a greve geral e tu?

Ninguém aguenta saber que os professores dos nossos filhos não têm dinheiro para pagar aluguel, luz e telefone, entre outras despesas. Que vivem da caridade dos amigos e familiares. Eu não consigo reclamar da greve dos professores. Nós deveríamos ir para rua com eles e dizer que isso é humilhante.


Professores protestam na Praça da Matriz em Porto Alegre – foto Sul21

Por isso eu apoio a greve geral e tu?

As pessoas estão amedrontadas com a violência que tem abreviado tantas vidas. Queremos mais policiais nas áreas públicas. Queremos andar sem medo pelas cidades.


foto Maia Rubim/Sul21

Por isso, e por muito mais, eu apoio a greve geral do dia 5 de dezembro. E tu?

Qual o motivo de tantas proibições?

Qual o motivo de tantas proibições?

foto: STF

Uma onda de “proibições” ronda o nosso país.
Comentamos com indignação, mas não exercemos nossa força de opinião pública. Será que temos essa força?

As últimas proibições, impostas pelas autoridades, não são boas para os cidadãos, mas uma catatonia paira sobre nós. A opinião pública não reage para derrubar tais decisões porque ela não está na população.

A opinião pública que já derrubou dois governos, depois da redemocratização, não é a nossa voz. A opinião pública é a mídia. Nós apenas atendemos o apelo achando que são assuntos do nosso interesse.

As últimas “proibições” são boas para quem?


Uma comissão especial na Câmara dos Deputados proibiu qualquer tipo de aborto. Até em casos de estupro.

Isso é bom para as mulheres? Isso é uma atitude que beneficia a população? Evidente que não, mas está feito! Tomara que não passe no Plenário.

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) ministra Carmen Lúcia, proibiu nota zero nas redações do Enem que desrespeitem os direitos humanos.
Que tipo de candidato faz uma redação que agride minorias estimula a segregação de pessoas com base em etnia, sexualidade, gênero, etc.?


foto:Agência Brasil

Essa “proibição” garante uma liberdade de expressão a qualquer preço. Um direito que só estimula ódio e separação.

Outro caso de “proibição” recente também veio do judiciário. Inês Del Cid, juíza da 2ª Vara da Fazenda Pública de São Bernardo do Campo, proibiu um show gratuito do Caetano Veloso.

A apresentação ocorreria em ocupação de área privada pelo Movimento dos Trabalhadores Sem Teto.
A probabilidade de uma apresentação do Caetano acabar em tumulto deve ser próxima de zero. A menos que a polícia fosse ordenada a atacar as 6500 famílias que estão no local.

Tivemos outras ”proibições” neste semestre, como foi o caso da exposição Queer Museu, fechada em Porto Alegre após protestos do Movimento Brasil Livre (MBL). A mostra seria instalada no Museu de Arte do Rio de Janeiro (MAR), mas foi proibida pelo prefeito Crivela;

foto:reprodução Facebook

Em Jundiái o juiz Luiz Antonio de Campos Júnior, da 1º Vara Cível, proibiu a apresentação da peça teatral O Evangelho Segundo Jesus, Rainha do Céu no SESC Jundiaí. O monólogo era interpretado pela atriz transexual Renata Carvalho;

Em Brasília a Polícia Militar prendeu o ator Maikon K. durante apresentação na rua. Alegaram prática “ato obsceno”;

foto: divulgação DNA

No Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM), a performance do artista Wagner Schwartz, gerou grande polêmica pela cena de nudez. Os protestos foram protagonizados por integrantes do MBL.

Onde está a opinião pública que não toma as ruas e praças contra essas “proibições” tão atrasadas? São casos estarrecedores, mas a mídia não tem esses temas como prioridade.

Alguém tem dúvida que a opinião pública só existe estimulada pelos formadores de opinião?

O que está acontecendo com a humanidade?


Portal Viu

Temos uma grande oferta de conhecimento em todas as áreas, acesso fácil e gratuito às novas tecnologias, entre outras maravilhas da rede mundial de computadores, mas nosso bom senso parece que parou no tempo.

Alguém tem uma explicação para o crescimento vertiginoso da extrema direita, apesar das suas atitudes racistas, homofóbicas, separatistas e machistas? Os candidatos dessa linha disputaram o segundo turno na França e agora, pela primeira vez, chegaram ao parlamento da Alemanha, sendo a terceira força política. EUA e Coréia do Norte ameaçando estourar a terceira Guerra Mundial.


imagem youtube


Diário Notícias Madeira

E aqui no Brasil não está muito diferente. Temos perseguição às artes; peças de teatro canceladas por decisão judicial; deputado quer banir o funk; psicólogos defendendo a cura gay; general sugeriu a tomada do poder pelas forças armadas e, crescimento nas pesquisas, de um pré-candidato à presidência da República que estimula o ódio.


protesto pelo fechamento da exposição Queer Museu- Santander Cultural- Porto Alegre- Guilherme Santos

Que momento apocalíptico é esse que nos faz odiar mais do que amar?

MBL assume autoria do atentado contra a arte em Porto Alegre

Obra de Bia Leite.

Ando inconformada com o perfil conservador e intolerante que começa a surgir no Rio Grande do Sul. A mobilização nas redes sociais pedindo o boicote à exposição “Queermuseu – Cartografias da Diferença na Arte Brasileira”, no Santander Cultural em Porto Alegre, foi o ápice da ignorância artística.

Os protestos que resultaram no cancelamento da mostra, um mês antes do previsto, têm motivos pra lá de ultrapassados, como desrespeito à Jesus Cristo, apologia à pedófila, zoofilia e ao homossexualismo, entre outras aberrações vociferadas no mundo virtual.

Para amenizar nossa vergonha o Movimento Brasil Livre (MBL) reivindicou a autoria, do que defino como um atentado terrorista à arte. Evidentemente não será fácil para os portoalegrenses livrarem-se dessa mancha de censores da cultura.

Envergonhada custo a acreditar que isso esteja acontecendo no nosso estado, tido como um dos mais politizados do país e com sólida formação cultural.

Nem o pioneirismo jurídico na defesa dos direitos dos homossexuais e respeito à diversidade foi suficiente para barrar esse retrocesso.

Os gaúchos vivem tempos difíceis e os acontecimentos estão aí para, espero, promover grande reflexão.

Tivemos o Ministério Público estadual sugerindo um tipo de toque de recolher na Cidade Baixa; o prefeito da capital conseguiu, na justiça, proibir protestos contra o seu governo; a Brigada Militar barrou o protesto do Grito dos Excluídos e vem agindo de forma questionável o em desocupações; escolas são cravejadas de balas por criminosos, em horário de aula; professores são espancados por alunos e pais e por aí segue uma vergonhosa lista.

Espero que o escudo contra esse conservadorismo seja o nosso currículo de comprometimento com a cultura.

A capital gaúcha realiza a maior feira literária a céu aberto da América Latina, o Porto Alegre em Cena é uma referência em teatro internacional e há 20 anos seríamos a Bienal de Artes Visuais do Mercosul, só para citar alguns eventos do circuito internacional.

Gaudêncio Fidelis, curador da exposição – entrevista para Ivan Mattos do Jornal do Comércio

Agroindústria familiar na Expointer foi coisa do Olívio Dutra

Agroindústria familiar na Expointer foi coisa do Olívio Dutra


foto: divulgação Palácio Piratini

Muitas pessoas não sabem, outras não lembram e algumas não darão o braço à torcer, mas quem abriu as porteiras da Expointer para a agricultura familiar foi Olívio Dutra, no segundo ano do seu mandato, em 1999.

Até então a pecuária era o foco da maior exposição agropecuária da América Latina, mas o governador petista destinou um pavilhão para aos pequenos produtores.

foto:Tina Griebeler -Expointer 2017

O MST tinha invadido uma fazenda em Hulha Negra e os pequenos agricultores estavam com crachá de expositor. Os fazendeiros ficaram incomodados
e ameaçaram boicotar a Expointer.

Antes que “estourasse a boiada” o bom senso financeiro prevaleceu e a feira foi um sucesso de público e renda.

Passados 18 anos ninguém concebe a Expointer sem a presença da agroindústria familiar. Aliás, as vendas desse segmento, que representa cerca de 27% do PIB gaúcho, aumentam ano após ano.


foto: Tina Griebeler

Em 1999 eram 30 expositores com seus produtos orgânicos e coloniais. Nesta 40ª edição da Expointer, segundo dados são organização, sao 201 empreendimentos de 131 municípios do Rio Grande do Sul.
No ano passado o segmento comercializou cerca de R$ 2 milhões.

A elite rural não tolerava o Olívio Dutra, mas foi o governador que tirou a Expointer do vermelho e encaminhou o primeiro saldo positivo, segundo dados da Contadoria Geral do Estado(CAGE),apresentados na edição daquele ano.

O setor de Máquinas agrícolas, atual carro-chefe da Expointer, também foi impulsionado pelo governo de Olívio Dutra, mas este é assunto para outro post.
Por enquanto fica a foto de Olívio com representantes do Sindicato de Máquinas e Equipamentos Agrícolas do RS.


foto:Tina Griebeler

Rodrigo Maia engavetou pedido de impeachment de Temer e OAB recorre ao STF

Presidente da OAB Cláudio Lamachia
foto:Valter Campanato/Agência Brasil

A Ordem dos Advogados do Brasil ingressou nesta quinta-feira(17) no Supremo Tribunal Federal com um mandado de segurança contra Rodrigo Maia (DEM-RJ), para que ele decida sobre o pedido de impeachment do presidente Temer. Há quase três meses a OAB protocolou o documento na Câmara dos Deputados, mas o presidente não deu qualquer andamento no processo o que, na opinião de Claudio Lamachia é um ato “omissivo, abusivo e ilegal”.


foto: Brasil 247

A instituição solicitou a cassação do mandato de Michel Temer baseada no parecer produzido pela comissão especial convocada para analisar a conduta do presidente Michel Temer relatada em delação premiada do empresário Joesley Batista, conforme manifestação divulgada no site da OAB.

Claudio Lamachia lembrou que Rodrigo Maia tem responsabilidades com a sociedade. “Essa postura nos leva a crer que o presidente da Câmara serve como uma muralha de proteção do presidente da República. E não é isso que a sociedade quer ver”, declarou.

A OAB ingressou com pedido de impeachment de Temer no dia 25 de maio e até o presente momento Rodrigo Maia, a quem cabe a responsabilidade de aceitar ou recusar a solicitação, não disse se aceita ou rejeita. “Não é crível, não é lógico e não é razoável que o presidente da Câmara demore 80 dias para um simples despacho de admissibilidade ou de indeferimento”, afirma Lamachia.

Já são 25 pedidos de impeachment de Temer protocolados na Câmara dos Deputados, sendo 22 por conta da delação da JBS. Rodrigo Maia não decidiu nada sobre nenhum deles.

INTEGRA DO MANDADO DE SEGURANÇA
http://s.oab.org.br/arquivos/2017/08/ms-ato-omisso-rodrigo-maia-camara-dos-deputados-nao-processamento-pedido-de-impeachment-ii-1.pdf

Silêncio das panelas, mudez das ruas e negociatas livram Temer da investigação

Brasília – Plenário da Câmara rejeita autorização para STF investigar denúncia contra o presidente Michel Temer (Wilson Dias/Agência Brasil)

Deputados livram Temer de investigação pelos crimes de organização criminosa, corrupção passiva e obstrução da justiça. (foto- Wilson Dias/Agência Brasil)

O mundo inteiro viu deputados fazendo pouco caso da rejeição do presidente Temer por mais de 80% da população. Alguns com comportamento colegial foram repreendidos pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia. Como se não bastasse, um parlamentar machista berra “gostosa” quando uma colega é chamada para registrar presença. Rodrigo Maia perdeu a oportunidade de alertar que o ato sexista não é atitude de homem, muito menos dentro do Congresso Nacional.

A vitória de Temer na Câmara Federal não me surpreendeu. O que me assustou foi com o silêncio sepulcral das panelas. A orquestra dos paneleiros parecia um símbolo de combate à corrupção, mas era apenas uma manifestação barulhenta contra o governo Dilma. Não estranhei os parlamentares que vociferaram contra a corrupção, na votação que aprovou o impedimento da ex-presidente, terem barrado a investigação de Michel Temer pelos crimes de organização criminosa, corrupção passiva e obstrução de justiça. Fiquei incomodada com a mudez das ruas.

Sumiram as chamadas “pessoas de bem”, que faziam “manifestações pacíficas” sem representação de partidos políticos e com o apoio irrestrito da imprensa. Para onde migrou toda aquela gente que clamava pelo fim da corrupção? Aquelas pessoas não dão a menor pelota se Temer está denunciado, se tinha uma mala com R$ 500 mil, se muitos dos seus ministros são réus ou se o governo comprou votos dos deputados antecipando dinheiro de emendas parlamentares.

Segundo levantamento do Jornal Valor Econômico, Temer gastou mais de R$ 13 bilhões para barrar a denúncia do Ministério Público Federal e aceita pelo Supremo Tribunal Federal. Foram R$ 4,15 bilhões com emendas parlamentares e R$ 13,2 bilhões para refinanciar a dívida de produtores rurais e aumentar os royalties da mineração.

Agora temos que preparar o bolso para pagar essa conta elevadíssima. Além da reforma da Previdência, que só os empresários acham necessária, deve vir arroxo salarial e mais cortes em programas sociais. Sem contar, é claro, com mais aumento de imposto.

Atores de Roda Viva foram espancados em 1967. Maikon K é preso durante espetáculo 50 anos depois


foto: divulgação Palco Giratório Sesc

É impossível digerir a maneira violenta como alguns policiais militares do Distrito Federal imprimiram ao artista paranaense Maikon Kempinsk durante a apresentação do espetáculo “DNA de DAN”. Na performance que integra o catálogo nacional de espetáculos do Palco Giratório do Sesc, Maikon K, como é conhecido, tem seu corpo coberto por uma substância que leva cerca de duas horas para secar. Ele está dentro de uma bolha de plástico transparente e o público acompanha a transformação do corpo nu. A pele rompe-se conforme os movimentos da dança. A concepção do artista relaciona DAN, uma serpente ancestral africana que deu origem a todas as formas de vida, com o corpo humano.

Pois foi durante essa intervenção urbana de dança-instalação, no último sábado (16), por volta das 17 horas, ao lado do Museu Nacional da República, em Brasília, que a polícia militar invadiu o palco, encerrou a apresentação, destruiu o cenário, prendeu Maikon K e o levou para a 5ª Delegacia de Polícia, sob alegação de ato obsceno. Isso mesmo: ATO OBSCENO, cuja pena varia de três meses a um ano de detenção.


foto: internet

A igreja católica perseguiu muito o nu artístico na escultura e na pintura. Um exemplo do combate ao que o Vaticano denominava apelo carnal foi o afresco do Juízo Final, no teto da Capela Sistina, no Vaticano, obra prima de Michelangelo (1537 e 1542). A pintura sofreu intervenção para esconder as genitálias das personagens, mas na restauração, em 1980, todas as vestimentas incluídas foram retiradas da obra original.

A referência à Capela Sistina é para lembrar que esse tipo de perseguição à arte já era criticada na primeira metade do século XVI. Particularmente, adoraria saber a opinião do Papa Francisco sobre essa atitude repressora da polícia em pleno século 21.

The Sistine Chapel. Vatican, Rome, Italy

A ação da PM na capital da República remete, inevitavelmente, ao triste período de censura da ditadura militar. No livro Amordaçados: uma história da censura e de seus personagens, a jornalista Julia Carvalho aborda a censura desde o Brasil Colônia até a redemocratização do país.

Pois há exatos 50 anos, em 18 de julho de 1967, artistas foram espancados por integrantes do Centro de Caça aos Comunistas (CCC). O grupo paramilitar invadiu o teatro Galpão de Ruth Escobar, em São Paulo, e agrediu o elenco da primeira apresentação de Roda Viva de Chico Buarque.
O ataque está registrado no livro Maria Ruth – Uma Autobiografia que conta a trajetória de Ruth Escobar. A atriz e diretora produziu
espetáculos revolucionários e marcantes do teatro brasileiro.

Maikon K publicou sua manifestação nas redes sociais
www.facebook.com/maikon.kempinski



imagem: youtube

Versão da Polícia Militar
Através de nota a Polícia Militar disse que foi chamada para resolver o problema de um homem nu no Museu da República.”Como não foi apresentada nenhuma documentação/autorização do museu tampouco da administração de Brasília, foi determinada a paralisação da referida exposição e foi dada voz de prisão ao elemento nu.”

O governador Rodrigo Rollemberg e o secretário de Cultura Guilherme Reis telefonaram para pedir desculpas ao artista e publicaram nota na página oficial. www.df.gov.br

Trecho da nota oficial do Sesc-DF
“A proibição da performance em Brasília, os prejuízos materiais à obra e a detenção do artista constituem uma arbitrariedade que coloca em risco não apenas a liberdade de expressão, assegurada pela Constituição Brasileira e por documentos internacionais dos quais o Brasil é signatário, mas interfere nos direitos culturais do público. Não vivemos mais em uma época em que um policial militar pode definir isoladamente a realização ou não de um evento”.

Eliseu Padilha achou normal troca de deputados na CCJ para barrar denúncia contra Temer

Brasília – Ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha (Marcello Casal Jr/Agência Brasil)

Ministro Padilha saiu da toca e isso é sinal de que o governo saiu do paredão. Desde o escândalo dos irmãos Batista que Eliseu não aparecia muito na imprensa, mas nesta sexta-feira, 14, voltou ao cenário para explicar a troca de deputados na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). “Absolutamente normal, do jogo político do Congresso Nacional”, disse o ministro em entrevista ao Gaúcha Atualidade.

As 25 substituições garantiram a rejeição do relatório do deputado Sergio Zveiter (PMDB-RJ). Na CCJ foram 41 votos a favor de Michel Temer e 24 contra, o que representa quase dois por um. Agora o Plenário da Câmara dos Deputados votará outro relatório, o do deputado Paulo Abi-Ackel (PSDB -MG) que recomendará a suspensão desse processo contra Temer no Supremo Tribunal Federal (STF).

O governo já usou esse tipo de expediente na escolha dos ministros. Na Saúde foi anunciado que seria um notável, mas na última hora o PP indicou o deputado Ricardo Barros (PP). Padilha relatou em palestra na Caixa, em São Paulo, em fevereiro deste ano: “Vocês garantem todos os votos do partido nas votações?”. “Garantimos”. “Então o Ricardo será o notável.” Confira gravação divulgada pelo Estadão.

Padilha admite troca de votos por ministério; ouça o áudio ESTADÃO

Pelas palavras do ministro é possível notar que o governo não medirá esforços para conseguir 172 votos, entre os 513 deputados, para aprovar esse novo relatório, impedindo assim que o STF prossiga com a investigação. A sessão ficou marcada para depois do recesso, dia 2 de agosto.

A contagiante inquietação do repórter Carlos Wagner


Carlos Wagner foi homenageado no 12º Congresso da Abraji (Foto: Alice Vergueiro/Abraji)

Se ainda não viste o filme sobre a trajetória do repórter Carlos Wagner de Zero Hora, faça isso agora mesmo. É para rir e se emocionar. Sabe quando escolhemos jornalismo pensando em mudar o mundo? Pois é, o Wagner, como nunca vi alguém fazer, passa essa certeza: o jornalismo pode sim, mudar o mundo. Como? Aí cada um tem que descobrir, se realmente quiser, quais histórias verdadeiras pode contar, independente de estar em veículo tradicional ou em mídias independentes.

Este filme sobre a trajetória do repórter foi realizado pela Abraji (Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo), para homenagear Carlos Wagner no 12º Congresso Internacional da entidade, em São Paulo. Sua inesgotável disposição é uma injeção de ânimo em qualquer jornalista que ainda acalente aquele desejo de viver de contar boas histórias.

No meu tempo de rádio Gaúcha tive oportunidade de conviver com o Carlos Wagner, pena que foi pouco, mas nos plantões de final de semana vi que ele valorizava uma simples “ronda policial”. Pensava eu: como esse baita jornalista dá importância para uma informação que rende, no máximo, uma notinha? Que história tem aí que eu não peguei? Talvez fosse só uma inquietação, mas aprendi e ele nem sabe disso, pois nunca contei, que uma coisa é dizer que uma grande matéria pode estar numa “ronda” e outra é entender como isso funciona.

Obrigada, Carlos Wagner

Saiba mais sobre a vida do “Repórter na estrada”, como ele mesmo se define, em: