Senadores que massacraram Fachin agora estão nas mãos dele

Os tucanos e outros senadores de oposição ao governo Dilma fizeram de tudo para derrubar a indicação do então advogado Luis Edson Fachin, para ministro do STF, na vaga de Joaquim Barbosa. Menos o paranaense Álvaro Dias(PSDB), presidente da CCJ, que fez campanha para a aprovação de Fachin.

A sabatina ocorrida em maio de 2015 teve momentos constrangedores, tal a agressividade dos questionamentos de alguns parlamentares. A arguição passou de 12 horas, sendo a mais demorada da Comissão de Constituição e Justiça do Senado, em 20 anos.


foto Sul 21

Mas a roda girou e alguns daqueles políticos estão na lista do Janot. E agora?

Naquela época a operação estava com as baterias apontadas para o governo Dilma e os tucanos queriam saber o que ele achava da censura à imprensa, pensando em grandes revelações sobre a presidenta. Fachin disse:

“Não podemos ter censura em nenhuma hipótese”, enfatizou admitindo que acompanhou na imprensa muitas leituras sobre sua pessoa, muitas delas desabonatórias, mas que mesmo assim defende os princípios do Artigo 5º da Constituição, capítulo da Carta Magna que trata das garantias individuais.

Com base nessa resposta acho que o relator da lava-jato no Supremo vai abrir o sigilo de tudo e de todos.

Em dia de greve geral os trabalhadores dizem não à reforma da previdência

Desta vez a grande mídia não conseguiu reduzir as manifestações da greve geral a um simples problema de trânsito. Milhares de trabalhadores foram às ruas do Brasil, nesta quarta-feira, 15, e disseram não à Reforma da Previdência e trabalhista, que retira direitos, aumenta o tempo de contribuição e a idade mínima de aposentadoria. O presidente Temer tentou minimizar e disse: “Ninguém vai perder direito.” A verdade é que a população não acredita.

Os protestos mobilizaram movimentos sociais, sindicatos de diversas categorias como metroviários, portuários, professores, policiais, motoristas de ônibus, agricultores, servidores públicos federais, estaduais e municipais, estudantes, entre outros trabalhadores, de Norte a Sul do país.

15/03/2017 – PORTO ALEGRE, RS -Dia de mobilização contra a reforma da previdencia na praça da matriz. Foto: Guilherme Santos/Sul21

Os parlamentares, desacreditados até o último grau, terão que ouvir o “recado das ruas” ou, além da lista do Janot eles poderão entrar na lista do eleitor. Se a população se enfezar mesmo, pode abreviar a carreira política de muitos já em 2018.

Será que o colapso na Previdência poderá ocorrer por culpa do trabalhador? Não! O que está levando o país à bancarrota é a corrupção, sonegação fiscal e incapacidade dos gestores públicos. Só que a conta será paga por todos nós, inclusive as novas gerações que terão que contribuir por 49 anos. Isso mesmo, quase meio século pagando a previdência!

Os jovens das famílias que não são ricas, maioria esmagadora no Brasil, começarão a trabalhar aos 16 anos, o que jogará o estudo para segundo ou terceiro plano. Como está posto, o que se avizinha é um país de velhos dependentes ou abandonados e jovens sem formação.
As desigualdades sociais serão ainda maiores, se é que me faço entender.