Silêncio das panelas, mudez das ruas e negociatas livram Temer da investigação

Brasília – Plenário da Câmara rejeita autorização para STF investigar denúncia contra o presidente Michel Temer (Wilson Dias/Agência Brasil)

Deputados livram Temer de investigação pelos crimes de organização criminosa, corrupção passiva e obstrução da justiça. (foto- Wilson Dias/Agência Brasil)

O mundo inteiro viu deputados fazendo pouco caso da rejeição do presidente Temer por mais de 80% da população. Alguns com comportamento colegial foram repreendidos pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia. Como se não bastasse, um parlamentar machista berra “gostosa” quando uma colega é chamada para registrar presença. Rodrigo Maia perdeu a oportunidade de alertar que o ato sexista não é atitude de homem, muito menos dentro do Congresso Nacional.

A vitória de Temer na Câmara Federal não me surpreendeu. O que me assustou foi com o silêncio sepulcral das panelas. A orquestra dos paneleiros parecia um símbolo de combate à corrupção, mas era apenas uma manifestação barulhenta contra o governo Dilma. Não estranhei os parlamentares que vociferaram contra a corrupção, na votação que aprovou o impedimento da ex-presidente, terem barrado a investigação de Michel Temer pelos crimes de organização criminosa, corrupção passiva e obstrução de justiça. Fiquei incomodada com a mudez das ruas.

Sumiram as chamadas “pessoas de bem”, que faziam “manifestações pacíficas” sem representação de partidos políticos e com o apoio irrestrito da imprensa. Para onde migrou toda aquela gente que clamava pelo fim da corrupção? Aquelas pessoas não dão a menor pelota se Temer está denunciado, se tinha uma mala com R$ 500 mil, se muitos dos seus ministros são réus ou se o governo comprou votos dos deputados antecipando dinheiro de emendas parlamentares.

Segundo levantamento do Jornal Valor Econômico, Temer gastou mais de R$ 13 bilhões para barrar a denúncia do Ministério Público Federal e aceita pelo Supremo Tribunal Federal. Foram R$ 4,15 bilhões com emendas parlamentares e R$ 13,2 bilhões para refinanciar a dívida de produtores rurais e aumentar os royalties da mineração.

Agora temos que preparar o bolso para pagar essa conta elevadíssima. Além da reforma da Previdência, que só os empresários acham necessária, deve vir arroxo salarial e mais cortes em programas sociais. Sem contar, é claro, com mais aumento de imposto.

Atores de Roda Viva foram espancados em 1967. Maikon K é preso durante espetáculo 50 anos depois


foto: divulgação Palco Giratório Sesc

É impossível digerir a maneira violenta como alguns policiais militares do Distrito Federal imprimiram ao artista paranaense Maikon Kempinsk durante a apresentação do espetáculo “DNA de DAN”. Na performance que integra o catálogo nacional de espetáculos do Palco Giratório do Sesc, Maikon K, como é conhecido, tem seu corpo coberto por uma substância que leva cerca de duas horas para secar. Ele está dentro de uma bolha de plástico transparente e o público acompanha a transformação do corpo nu. A pele rompe-se conforme os movimentos da dança. A concepção do artista relaciona DAN, uma serpente ancestral africana que deu origem a todas as formas de vida, com o corpo humano.

Pois foi durante essa intervenção urbana de dança-instalação, no último sábado (16), por volta das 17 horas, ao lado do Museu Nacional da República, em Brasília, que a polícia militar invadiu o palco, encerrou a apresentação, destruiu o cenário, prendeu Maikon K e o levou para a 5ª Delegacia de Polícia, sob alegação de ato obsceno. Isso mesmo: ATO OBSCENO, cuja pena varia de três meses a um ano de detenção.


foto: internet

A igreja católica perseguiu muito o nu artístico na escultura e na pintura. Um exemplo do combate ao que o Vaticano denominava apelo carnal foi o afresco do Juízo Final, no teto da Capela Sistina, no Vaticano, obra prima de Michelangelo (1537 e 1542). A pintura sofreu intervenção para esconder as genitálias das personagens, mas na restauração, em 1980, todas as vestimentas incluídas foram retiradas da obra original.

A referência à Capela Sistina é para lembrar que esse tipo de perseguição à arte já era criticada na primeira metade do século XVI. Particularmente, adoraria saber a opinião do Papa Francisco sobre essa atitude repressora da polícia em pleno século 21.

The Sistine Chapel. Vatican, Rome, Italy

A ação da PM na capital da República remete, inevitavelmente, ao triste período de censura da ditadura militar. No livro Amordaçados: uma história da censura e de seus personagens, a jornalista Julia Carvalho aborda a censura desde o Brasil Colônia até a redemocratização do país.

Pois há exatos 50 anos, em 18 de julho de 1967, artistas foram espancados por integrantes do Centro de Caça aos Comunistas (CCC). O grupo paramilitar invadiu o teatro Galpão de Ruth Escobar, em São Paulo, e agrediu o elenco da primeira apresentação de Roda Viva de Chico Buarque.
O ataque está registrado no livro Maria Ruth – Uma Autobiografia que conta a trajetória de Ruth Escobar. A atriz e diretora produziu
espetáculos revolucionários e marcantes do teatro brasileiro.

Maikon K publicou sua manifestação nas redes sociais
www.facebook.com/maikon.kempinski



imagem: youtube

Versão da Polícia Militar
Através de nota a Polícia Militar disse que foi chamada para resolver o problema de um homem nu no Museu da República.”Como não foi apresentada nenhuma documentação/autorização do museu tampouco da administração de Brasília, foi determinada a paralisação da referida exposição e foi dada voz de prisão ao elemento nu.”

O governador Rodrigo Rollemberg e o secretário de Cultura Guilherme Reis telefonaram para pedir desculpas ao artista e publicaram nota na página oficial. www.df.gov.br

Trecho da nota oficial do Sesc-DF
“A proibição da performance em Brasília, os prejuízos materiais à obra e a detenção do artista constituem uma arbitrariedade que coloca em risco não apenas a liberdade de expressão, assegurada pela Constituição Brasileira e por documentos internacionais dos quais o Brasil é signatário, mas interfere nos direitos culturais do público. Não vivemos mais em uma época em que um policial militar pode definir isoladamente a realização ou não de um evento”.

Eliseu Padilha achou normal troca de deputados na CCJ para barrar denúncia contra Temer

Brasília – Ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha (Marcello Casal Jr/Agência Brasil)

Ministro Padilha saiu da toca e isso é sinal de que o governo saiu do paredão. Desde o escândalo dos irmãos Batista que Eliseu não aparecia muito na imprensa, mas nesta sexta-feira, 14, voltou ao cenário para explicar a troca de deputados na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). “Absolutamente normal, do jogo político do Congresso Nacional”, disse o ministro em entrevista ao Gaúcha Atualidade.

As 25 substituições garantiram a rejeição do relatório do deputado Sergio Zveiter (PMDB-RJ). Na CCJ foram 41 votos a favor de Michel Temer e 24 contra, o que representa quase dois por um. Agora o Plenário da Câmara dos Deputados votará outro relatório, o do deputado Paulo Abi-Ackel (PSDB -MG) que recomendará a suspensão desse processo contra Temer no Supremo Tribunal Federal (STF).

O governo já usou esse tipo de expediente na escolha dos ministros. Na Saúde foi anunciado que seria um notável, mas na última hora o PP indicou o deputado Ricardo Barros (PP). Padilha relatou em palestra na Caixa, em São Paulo, em fevereiro deste ano: “Vocês garantem todos os votos do partido nas votações?”. “Garantimos”. “Então o Ricardo será o notável.” Confira gravação divulgada pelo Estadão.

Padilha admite troca de votos por ministério; ouça o áudio ESTADÃO

Pelas palavras do ministro é possível notar que o governo não medirá esforços para conseguir 172 votos, entre os 513 deputados, para aprovar esse novo relatório, impedindo assim que o STF prossiga com a investigação. A sessão ficou marcada para depois do recesso, dia 2 de agosto.

A contagiante inquietação do repórter Carlos Wagner


Carlos Wagner foi homenageado no 12º Congresso da Abraji (Foto: Alice Vergueiro/Abraji)

Se ainda não viste o filme sobre a trajetória do repórter Carlos Wagner de Zero Hora, faça isso agora mesmo. É para rir e se emocionar. Sabe quando escolhemos jornalismo pensando em mudar o mundo? Pois é, o Wagner, como nunca vi alguém fazer, passa essa certeza: o jornalismo pode sim, mudar o mundo. Como? Aí cada um tem que descobrir, se realmente quiser, quais histórias verdadeiras pode contar, independente de estar em veículo tradicional ou em mídias independentes.

Este filme sobre a trajetória do repórter foi realizado pela Abraji (Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo), para homenagear Carlos Wagner no 12º Congresso Internacional da entidade, em São Paulo. Sua inesgotável disposição é uma injeção de ânimo em qualquer jornalista que ainda acalente aquele desejo de viver de contar boas histórias.

No meu tempo de rádio Gaúcha tive oportunidade de conviver com o Carlos Wagner, pena que foi pouco, mas nos plantões de final de semana vi que ele valorizava uma simples “ronda policial”. Pensava eu: como esse baita jornalista dá importância para uma informação que rende, no máximo, uma notinha? Que história tem aí que eu não peguei? Talvez fosse só uma inquietação, mas aprendi e ele nem sabe disso, pois nunca contei, que uma coisa é dizer que uma grande matéria pode estar numa “ronda” e outra é entender como isso funciona.

Obrigada, Carlos Wagner

Saiba mais sobre a vida do “Repórter na estrada”, como ele mesmo se define, em:

As indicações de Temer e a maré de sorte de Aécio


foto:Brasil 247

As escolhas de Michel Temer

O presidente escolheu para Procuradora-Geral da República Raquel Elias Ferreira Dodge. Qual a surpresa? É que ela foi a segunda candidata mais votada na lista tríplice e havia uma tradição, que começou com Lula, de indicar o escolhido pelos integrantes da Ministério Público Federal. O vitorioso foi o vice-procurador Eleitoral Nicolao Dino, mas ele pediu a cassação de Temer no TSE e é aliado do atual Procurador-Geral Rodrigo Janot, que denunciou o presidente por corrupção passiva e estabeleceu multa de R$10 milhões por danos coletivos. Alguém achou que seria o mais votado o escolhido?


foto: Band TV


Rodrigo Janot e Raquel Dodge
foto: Antônio Cruz, Agência Brasil

Parece que na cabeça do Temer a futura chefe do MPF Raquel Dodge tem poder para frear essas delações, pelo menos no que se refere a ele, até a eleição de 2018. Essa foi a impressão da população e dos parlamentares denunciados ou sob suspeita na Operação Lava Jato. Se segura o Temer, pode segurar uns quantos? E de esperar para ver!


Admar Gonzaga(em pé) e Tarcício Neto
foto: Brasil 247

Os ministros Admar Gonzaga e Tarcisio Vieira de Carvalho Neto, indicados por Temer para o Superior Tribunal Eleitoral, votaram contra a cassação do mandato do presidente.
Para que a maioria dos mortais não fique muito chocada com o que vem por aí, é bom lembrar que a sorte está com os que ocupam as primeiras fileiras da velha política.

A maré de sorte de Aécio


foto: jornalggm.com.br

O senador Aécio Neves (PSDB-MG) quase foi para a cadeia, como a irmã Andrea Neves e o primo Frederico de Medeiros, mas virou o jogo nos acréscimos. Tirou o pé do xilindró e ainda conseguiu libertar os parentes. Foi afastado do cargo pelo STF, mas já retomou. A decisão saiu nesta sexta,30. E como a maré é de sorte para o tucano, o relator do inquérito 4392 será Alexandre de Moraes, que foi filiado ao PSDB até ingressar na Suprema Corte por indicação de Michel Temer. Cabe lembrar que Moraes era tucano de alta plumagem, pois foi ministro da Justiça de Temer e secretário da Justiça do governador Geraldo Alckmin (SP). Nessa ação Aécio Neves é acusado de corrupção passiva, lavagem de dinheiro, corrupção ativa, cartel e fraude a licitações, segundo os delatores da Odebrecht.


Foto: DCM

Mas a sorte de Aécio ainda não acabou. O inquérito 4444, em que é investigado por suposto recebimento ilegal de dinheiro da Odebrecht para sua campanha, o relator sorteado foi o Ministro do STF Gilmar Mendes. O magistrado está famoso pelas declarações inflamadas contra a Lava Jato e o Procurador-Geral Rodrigo Janot, que pediu a prisão de Aécio Neves.

Mulheres são donas de casa na visão de Heitor Müller e Temer


Divulgação ONU Muheres

Ouvindo a entrevista do presidente da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (Fiergs) no Gaúcha Atualidade, da rádio Gaúcha, fiquei irritada, bati boca com o rádio e debati com o convidado, como é meu costume quando um assunto é polêmico. Heitor Müller comentava a retração da indústria gaúcha e citou várias vezes que a DONA DE CASA não está comprando. Isso seria, na opinião dele, um receio de que o marido ou o filho ficassem desempregados.

Tive a impressão de que o industrial desconhece os dados do próprio setor no país, pois, de acordo com o Ministério do Trabalho e Emprego, a indústria teve um crescimento no emprego formal feminino de 14,3% nos último 20 anos.

A manifestação de Müller me fez lembrar do desastroso e criticado discurso de Michel Temer em homenagem ao Dia Internacional da Mulher. Segundo o presidente ninguém entende mais do que as mulheres de “indicar desajustes nos preços do supermercado” e de “detectar flutuações econômicas, pelo orçamento doméstico maior ou menor”, além de outras observações irritantes e infelizes.

Ainda sobre o estudo do Ministério, houve crescimento mesmo naquelas funções ocupadas predominantemente por homens, como é o caso dos setores da construção civil e de metalmecânica. Nesses 20 anos a proporção de postos de trabalho ocupados por mulheres teve alta de 39,9% na metalurgia, de 37,3% na indústria mecânica e de 31,1% na construção civil.

São declarações como as de Temer e Müller que reforçam o pensamento machista e inibem a presença das mulheres no mercado de trabalho, em entidades representativas, instituições e instâncias dos poderes constituídos. No caso específico da Fiergs, a diretoria é composta por 51 pessoas, mas só tem uma mulher, Doris Sphor no Conselho Fiscal. Bastante semelhante ao governo atual que tem apenas a advogada-geral da União Grace Mendonça e a secretária de Direitos Humanos Luislinda Valois.

Diversas empresas de vários países estabeleceram metas para a inserção das mulheres em diretorias e conselhos de administração. A ONU Mulheres e o Pacto Global criaram os Princípios de Empoderamento das Mulheres, um conjunto de considerações que ajudam a comunidade empresarial a incorporar em seus negócios valores e práticas que visem à equidade de gênero.

Se a mudança não ocorrer pelo simples objetivo de reduzir as desigualdades, então que seja pelo capital. Não faltam estudos internacionais revelando que empresas com mulheres nas suas diretorias são mais rentáveis.

Famílias humilhadas e um deputado preso na reintegração de posse da ocupação Lanceiros Negros


Deputado Jeferson Fernandes tenta negociação com a BM- Foto Guilherme Santos Sul 21

A ação da Brigada Militar, durante a reintegração de posse de um prédio do Estado, na noite desta quarta-feira (14), foi, no mínimo, um excesso desnecessário. Às 19h30min os policiais começaram a retirar as 70 famílias da ocupação Lanceiros Negros na esquina das ruas General Câmara e Andrade Neves, no Centro de Porto Alegre. O presidente da Comissão de Cidadania e Direitos Humanos da Assembleia Legislativa foi até o local e argumentou que havia crianças no imóvel, que era noite fria e que as pessoas não tinham para onde ir.

Jeferson Fernandes (PT) tentou mediar o conflito, apelou para o bom senso, pediu que chamassem o comandante da tropa, mas foi tudo em vão. Os vídeos e as fotos revelam a falta de diálogo por parte da autoridade policial e o uso exagerado da força. Alguns tentaram resistir, mas não suportaram os gases de pimenta e lacrimogênio, cassetete e, principalmente, a intolerância.


Prisão de Jefferson-Fernandes -foto-Guilherme-Santos-Sul-21

O deputado foi preso, algemado e jogado no camburão com outras pessoas detidas, mas não consta que tenha cometido crime inafiançável. Talvez tenham interpretado como desacato à autoridade ou obstrução da justiça. Deram umas voltas pela capital e depois o largaram em frente ao Theatro São Pedro. Até parece aquelas cenas de filme policial quando jogam a pessoa no meio da rua com o carro ainda em movimento.

Fernandes na Delegacia, acompanhado dos deputados petistas Adão Vilaverde (E) e Adão Preto (Presidente da Assembleia RS)

Se faltou experiência ou bom senso aos oficiais de justiça, que o comandante da ação os alertasse para os protocolos mínimos de civilidade nas desocupações. Ao contrário, se foi a autoridade policial que perdeu o rumo, que a justiça, representada no local pelos oficiais, chamasse a atenção sobre os mesmos protocolos.

Não pensaram. Cegamente cumpriram a lei e jogaram cerca de 200 pessoas na rua. Pais sem saber para onde levar seus filhos numa típica noite de inverno gaúcho. Não havia um lugar adequado para encaminhar as pessoas. Fico me perguntando qual é a necessidade de retirar as famílias à noite, sem ter uma solução para o caso?

O imóvel não tem as mínimas condições de abrigar repartições públicas há no mínimo uma década, a menos que passe por uma grande reforma, o que deverá custar milhões. Para um Estado endividado que atrasa salários,repasses para hospitais e não reforma escolas, entre outras obrigações?

Os cidadãos da ocupação Lanceiros Negros perderam o teto, foram maltratados e humilhados pelos representantes do Estado. Definitivamente não é isso que esperamos do poder público.

Saída honrosa para quem desonrou o cargo de Presidente da República?


Foto; Agência Brasil- EBC

Qual é o papel da justiça eleitoral, neste momento, em que o presidente da República aparece como beneficiário de dinheiro ilícito da JBS? Temer está no centro da maior crise ética da política brasileira, e ninguém discorda disso, a dúvida é até que ponto isso influencia o julgamento da chapa Dilma-Temer no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), nesta terça-feira, 6.
Tem 100% de chances de ser cassada, 100% de ser absolvida e 100% de chances de haver adiamento, o que parece é uma tendência.

O uso de caixa 2 na campanha eleitoral de 2014, objeto da ação no TSE, não oferecia grandes riscos para Michel Temer, e tudo indicava que a chapa seria separada mantendo-se o objetivo de mirar apenas em Dilma Rousseff.

Tudo mudou quando veio a público a conversa de Temer com o dono da JBS, pois a suspeita imediata foi do envolvimento do presidente nas falcatruas dos irmãos Batista. Ele recebeu no porão do Palácio Jaburu um empresário que deu nome falso para ter acesso à residência oficial. Conversou com ele sobre comprar o silêncio de Eduardo Cunha, indicou Rocha Loures como seu homem de confiança para realizar qualquer negócio, e o então deputado é flagrado por câmeras, com uma mala de dinheiro.

Um vulcão entrou em erupção e só se falava em renúncia, mas Michel Temer ainda se mantém no cargo. São muitas as especulações sobre o que representará o resultado desse julgamento. A cassação da chapa seria uma saída honrosa para quem desonrou o cargo de Presidente da República.

A estranha mania de limpeza de João Dória

foto: DCM- divulgação Facebook
foto: divulgação Facebook

Acredito que o prefeito de São Paulo tenha mania de limpeza. As atitudes que ele tomou desde que assumiu o cargo e o perfil engomadinho, de pele brilhante, como se tivesse sido lustrada, conferem a João Dória, pelo menos a suspeita de algum transtorno nessa linha.

Talvez ele não saiba a diferença entre sujeira e grafite (uma importante manifestação cultural urbana que comunica a realidade da rua). Na concepção do milionário prefeito a arte popular enfeia a cidade, então ele trata de passar uma tinta cinza por cima, para não ter que ver aquela “sujeira da toda”.

Os grafiteiros protestaram contra o vandalismo ao patrimônio público cultural. Eles viram suas obras serem destruídas e o semblante de satisfação do prefeito. Mesmo assim não o denunciaram por baderna e destruição dos bens culturais públicos.

Foto: Daniel Arroyo/GGN

Talvez Dória não consiga mesmo conviver com o que está fora do seu padrão de arte, habitação, roupas, vida. Ele usou a mesma técnica para retirar dependentes químicos da “Cracolândia. Não avisou ninguém é mandou passar a máquina para desmanchar casas, barracos e despachou os dependentes químicos sem dó ou piedade.

Retiradas à força de seus casebres pela polícia, as pessoas saíram sem rumo, cambaleando pelas ruas como zumbis. Imagens estarrecedoras que correram o mundo e chocaram entidades internacionais de Direitos Humanos.

A Associação dos Juízes para Democracia emitiu nota de repúdio onde considera as ações na Cracolândia:
“manifestamente voltadas à criminalização da pobreza, invisibilização de oprimidos e descarte de indesejáveis”.

O Conselho Federal de Psicologia definiu a ação da prefeitura como “barbárie” e “atrocidade”.

A secretária municipal de Direitos Humanos considerou a ação “desastrosa” e pediu demissão. Na carta entregue à João Dória Patrícia Bezerra disse:
“Diante das dificuldades que tenho enfrentado há algum tempo para dar prosseguimento à agenda de direitos humanos e ao atendimento humanizado à população mais vulnerável de São Paulo, deixo o cargo, mas nunca a convicção em uma cidade que garanta o respeito à pessoa humana”.

O chefe do executivo da maior cidade da América Latina, e uma das maiores do planeta, mandou a máquina derrubar casas velhas e o que tivesse pela frente. Até aí a ação era arbitrária e desumana, mas virou crime de tentativa de homicídio quando derrubaram um imóvel onde funcionava uma pensão com as pessoas dentro.

A milionário que chegou à prefeito de São Paulo ainda não foi denunciado por tentativa de homicídio. Tudo o que se sabe, extraoficialmente, é que João Dória tem em mente um grande empreendimento urbano para o local e que os imóveis serão desapropriados a preço de bananas.

Quanto tempo Temer resistirá?


foto Brasil 247

Michel Temer disse que fica no cargo e não foi surpresa essa decisão. Ele mantêm no governo ministros que são réus e ainda não sabe o conteúdo das gravações, por qual motivo renunciaria? O que não se sabe é por quanto tempo ele resistirá com a mídia querendo eleições indiretas.

Temer disse que fica e o ministro Fachin não autorizou a prisão de Aécio Neves. Parece que esses dois fatos diminuem a letalidade dessa bomba que foi delação dos donos da JBS . Pode ser até que arrumem uma saída diferente para Michel Temer, como uma permanência no cargo para fazer a transição de uma eleição indireta que a mídia tanto quer.

Não merecemos que o atual Congresso, sem as mínimas condições morais, escolha o próximo presidente. Só a eleição direta serve à população brasileira.