Parece que as pessoas contraíram o vírus da maldade


foto:Guilherme Santos- Sul 21
Parece que as pessoas contraíram o vírus da maldade

Me pergunto todos os dias, desde que o início da disputa eleitoral, quando foi que as conquistas sociais, trabalhistas e de humanidade começaram a desmoronar? Em algum momento se abriu a gaveta da falta de civilidade e as pessoas começaram a agir com raiva, espancar gays e negros, entre outras selvagerias.

Quem dera fosse um filme de ficção, onde cientistas do mal liberam um vírus que contamina os seres humanos e os transforma em zumbis.

Mas este roteiro é de documentário, infelizmente. Voltou o tempo triste que nós mulheres tínhamos medo do assédio masculino no trabalho, na rua, em bares e tantos outros lugares. Voltaram aqueles dias, que nunca sumiram totalmente, de ouvir as indigestas piadas racistas e incontáveis ofensas. Muitas pessoas da comunidade LGBTI+ são ameaçadas diariamente e muitas foram espancados a até a morte.


Que tipo de sentimento esses agressores têm? Eles têm família? Amam? Gostam de cinema? Celebram o Natal? Será que esses agressores abraçam outras pessoas?

Aquela polícia de ações mais humanitárias, com projetos de aproximação com as comunidades carentes também está com os dias contados. O presidente eleito Jair Bolsonaro já avisou que os policiais terão ” licença para matar”. Até as pessoas comuns poderão ter armas de fogo, mediante o cumprimento de algumas normas. Ocorre que o Brasil é um dos países com mais mortes por arma de fogo do planeta. Poderemos ter uma legião de “justiceiros”, no pior estilo “Desejo de Matar”.

Quando um líder político estimula os instintos irracionais da população o risco é iminente. Isso tem tudo para dar errado.